Loader

Certificado Digital: O que é, para que serve e quem precisa?

Certificado Digital: O que é?

Você tem medo de acessar sua conta bancária pelo computador? E com a internet, se sente totalmente seguro a ponto de enviar informações sigilosas sobre sua empresa, online? Em tempos de tantas fraudes, principalmente no que diz respeito às transações eletrônicas, é comum que a preocupação com a segurança das informações trocadas no ambiente virtual impossibilite o acesso das pessoas a muitas facilidades oferecidas pela internet. Pois fiquem sabendo que para essa preocupação já existe uma solução e o nome dela é Certificação Digital.

 

Mas o que é um Certificado Digital?

É um arquivo eletrônico que funciona como se fosse uma assinatura digital, com validade jurídica, e que garante proteção às transações eletrônicas e outros serviços via internet, de maneira que pessoas (físicas e jurídicas) se identifiquem e assinem digitalmente, de qualquer lugar do mundo, com mais segurança e agilidade.

A Certificação Digital, nos dias de hoje, traduz o que há de mais moderno em termos de segurança para proteger informações trocadas no ambiente virtual. Sua tecnologia foi desenvolvida especificamente para oferecer segurança, autenticidade, confidencialidade e integridade às informações eletrônicas. É como se fosse uma carteira de identidade eletrônica que garante a identidade das partes envolvidas.

Para que serve um Certificado Digital?

O Certificado Digital existe para facilitar sua vida e evitar que você perca tempo fazendo presencialmente muita coisa que pode resolver online, de maneira mais prática e segura. Atividades como reconhecimento de firmas, entrega de documentos via moto boy e idas ao banco, por exemplo, podem ser substituídas por transações online com garantia da autenticidade e com toda proteção das informações trocadas.
As principais atividades que podem ser seguradas pro um Certificado Digital são:

  • Assinatura e envio documentos pela internet;
  • Realização de transações bancárias;
  • Envio de declarações da sua empresa;
  • Assinatura de notas fiscais, conhecimentos de transporte eletrônico (CTs-e) e manifestações do destinatário;
  • Realização de transações bancárias;
  • “Login” em ambientes virtuais com segurança;
  • Garantia da validade jurídica dos documentos eletrônicos;
  • Desburocratização de processos uma vez que dispensa reconhecimento de firmas;
  • Economia de tempo, já que os serviços são realizados pela internet;

Quem precisa de um Certificado Digital?

Todas as pessoas (físicas ou jurídicas) que desejam realizar determinadas atividades online de maneira segura e autenticada.
Todavia, o Certificado Digital não é uma escolha para todos, para algumas pessoas ele é uma exigência. Empresas que emitem nota fiscal eletrônica, assim como para todas inscritas no regime tributário de lucro real ou lucro presumido, são obrigadas a fazer uso do Certificado Digital. (As empresas inscritas no Simples, como não são obrigadas a emitir nota fiscal eletrônica, não precisam de certificação digital).

Quais são os tipos de Certificados?

  1. e-CNPJ: Funciona como um CNPJ virtual e serve para emissão de nota fiscal eletrônica, transmissão de escrituração fiscal digital e obrigações acessórias
  2. e-CPF: Da mesma forma que o anterior, funciona como um CPF virtual utilizado para entregar declarações de renda e demais documentos eletrônicos que exijam uma assinatura digital.

Precisa fazer o seu Certificado Digital e não sabe aonde?

  • Aqui na Mpi informática, somos autorizados a realizar a emissão e confecção de certificados digitais, somos uma Filial da Autentica Certificadora. Então conte conosco para um serviço rápido acessível, e com garantia e confiança. Duvidas? Ligue para nossos telefones, teremos prazer em atende-los.

Por que usar antivírus no seu computador?

Todo ano, centenas de usuários e empresas sofrem com o ataque de vírus em seus computadores. Só no Brasil, estima-se que mais de 14 milhões de pessoas possuam máquinas sem qualquer tipo de proteção.

Algo muito perigoso se considerarmos que existem mais de 60 mil vírus conhecidos e cerca de 300 novos malwares surgem todo mês.

Uma máquina infectada passa não só por problemas de redução a velocidade como coloca em risco arquivos pessoas e facilita cyber ataques e roubos de dados bancários. Tudo isso porque você teve preguiça de baixar um programa para seu computador.

Mas por qual motivo eu devo instalar um antivírus?

– Você garante que a sua máquina continue funcionando sempre no máximo. Muitos vírus utilizam parte do desempenho de seu computador para rodar tarefas escondidas, reduzindo a velocidade do seu PC;

– Você evita que arquivos pessoais como fotos ou vídeos caiam facilmente na internet;

– Você garante que arquivos confidenciais de sua empresa que você precisa utilizar em casa continuem sigilosos;

– Você garante que ninguém terá acesso aos seus dados pessoais como RG, CPF e dados bancários;

– Você pode programar uma varredura para a noite, deixando o PC ligado. Assim, você não vai precisar ver sua máquina passando pelo processo de varredura enquanto a utiliza.

Quando você faz um serviço como formatação, o que sempre acompanha na máquina geralmente é o anti vírus básico que não tem custo, por ser “free” na internet.

Porem este tipo de antivírus lhe fornece uma segurança bem básica.

Se você deseja uma proteção mais avançada, existe antivírus com licenças pagas anualmente geralmente, que têm uma segurança bem mais alta a um custo bem viável.

Se você ficou com duvidas e acha interessante estar mais protegido, entre em contato com a equipe da Mpi Informática, que poderemos lhe auxiliar.

Cupom Eletrônico NFC-e tudo o que você precisa saber !

A Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica propõe uma verdadeira revolução no Varejo Brasileiro, muito similar a versão 2.0 da NF-e. Preparar-se para todas as mudanças é fundamental.

 

O Projeto NFC-e, visa ser uma alternativa totalmente eletrônica para os atuais documentos fiscais em papel utilizados no varejo (cupom fiscal emitido por ECF e nota fiscal modelo 2 venda à consumidor), reduzindo custos de obrigações acessórias aos contribuintes, ao mesmo tempo que possibilita o aprimoramento do controle fiscal pelas Administrações Tributárias. Com a NFC-e, também o consumidor é beneficiado, ao possibilitar a conferência da validade e autenticidade do documento fiscal recebido.

 

Neste sentido, propõe o estabelecimento de um padrão nacional de documento fiscal eletrônico, baseado nos padrões técnicos de sucesso da Nota Fiscal Eletrônica modelo 55, todavia adequado às particularidades do varejo.

 

A Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul prorrogou a obrigatoriedade de uso da NFC-e, em substituição ao ECF e à Nota Fiscal de Venda ao Consumidor, para contribuintes com faturamento menor ou igual a R$ 360.000,00 .

Conforme o cronograma estabelecido no Decreto Nº 51.245, essas empresas estariam obrigadas a emitir NFC-e a partir do dia 1º de janeiro de 2018. A Sefaz ampliou este prazo em um ano, definindo a nova data de obrigatoriedade para o dia 1º de janeiro de 2019.

 

Dificuldades técnicas e custos

De acordo com o secretário da Fazenda Giovani Feltes, a prorrogação de última hora teve dois principais motivos.

“ Além das dificuldades técnicas pela ausência de sinal de internet em determinas áreas, a mudança do equipamento sempre representa um custo adicional em um momento em que a economia dá os primeiros sinais de recuperação. 

Giovani Feltes, Secretário da Fazenda do Rio Grande do Sul

Novo calendário 

  • 1º de setembro de 2014:  Contribuintes enquadrados na modalidade geral que promovam operações de comércio atacadista e varejO;
  • 1º de novembro de 2014:  Contribuinte com faturamento superior a R$ 10.800.000,00;
  • 1º de junho de 2015 :  Contribuinte com faturamento superior a R$ 7.200.000,00;
  • 1º de janeiro de 2016 :  Contribuinte com faturamento superior a R$ 3.600.000,00 e estabelecimento que iniciarem suas atividades a partir de 1º de janeiro de 2016;
  • 1º de julho de 2016 :  Contribuinte com faturamento superior a R$ 1.800.000,00;
  • 1º de janeiro de 2017 :  Contribuinte com faturamento superior a R$ 360.000,00;
  • 1º de janeiro de 2019:  Todos os contribuintes que promovam operações de comércio varejista;

Ou seja como podemos ver, a obrigatoriedade não foi cancelada, e sim adiada para as empresas menores.

Então não deixe para fazer tudo em cima da hora, chame a Mpi Informática, para um orçamento. E migre com tranquilidade para o mundo digital, e fique tranquilo.

Back To Top